Salvador
23°
nuvens dispersas
humidity: 73%
wind: 4m/s ESE
H 25 • L 23
Weather from OpenWeatherMap

CBF muda regulamento para evitar “casos Victor Ramos”; Inter fica alerta

Uma mudança feita no regulamento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) se tornou motivo de alerta do Internacional, isso porque esta situação visa evitar a repetição de um novo caso Victor Ramos. O clube recorre na Corte Arbitral do Esporte (CAS) pela suposta inscrição irregular do zagueiro no Campeonato Brasileiro pelo Vitória, em 2016.

A CBF alterou o Regulamento Geral de Competições, que é reflexo de uma reforma no Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol (RNRTAF). Neste ano, houve a criação de um inciso terceiro no artigo 35, que trata da inscrição de jogadores, afirmando que “eventual irregularidade de ato de registro e/ou transferência não se confunde com irregularidade da condição de jogo, sendo de competência da CNRD, na forma do Art. 63, §1º do Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol (RNRTAF), apreciar e julgar tais irregularidades”.

Em outras palavras, a suposta irregularidade na transferência de Victor Ramos poderia não configurar irregularidade na condição de jogo dele, definida pelo Boletim Informativo Diário (BID). Se teve vínculo publicado lá, independentemente da transferência, estará apto a jogar.

Como o Internacional, na CAS, imputa à entidade e ao Vitória a culpa pela inscrição irregular do jogador, se os responsáveis pelo julgamento forem ligados à Confederação, em tese, não teriam capacidade de fazer tal análise de forma isenta.

Porém, no entendimento do clube colorado, caso seja esta a determinação da CAS, quem deve julgar é o Setor Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), pois o regulamento vigente na ocasião era o de 2016. O Internacional ainda aguarda a marcação da data do julgamento pelo CAS e teme que a entidade ordene o tribunal brasileiro julgue o caso. Desta forma, valendo o regulamento atual, quem decidiria sobre tal situação seria a Câmara Nacional de Regulação de Disputas e não o STJD.

Foto: Divulgação|Francisco Galvão|EC Vitória

Comentar

%d blogueiros gostam disto: