Salvador
26°
nuvens dispersas
umidade: 78%
vento: 3m/s SL
Máx 26 • Mín 26
Weather from OpenWeatherMap

Federação das Indústrias na Bahia pede fim da greve e acordo com equilíbrio

Neste domingo (27) a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) e seus 43 Sindicatos Empresariais divulgaram uma nota afirmando que “consideram inaceitável a condução da greve dos caminhoneiros, por parte de suas lideranças e das autoridades”, eles estão acompanham e retrataram “extrema preocupação aos desdobramentos desse movimento, que bloqueia estradas e provoca problemas de desabastecimento no país”, pontuam.

Diante dos diversos e simultâneos impactos dessa greve, que tem gerado prejuízos a população, a Fieb se posiciona afirmando que “é preciso garantir a circulação de mercadorias e insumos, sendo necessário intensificar, urgentemente, o uso de todos os instrumentos públicos na defesa da sociedade como um todo. Embora haja grandes distorções na estrutura de preços dos produtos e serviços, em função de uma carga tributária desvirtuada, o bloqueio das rodovias do país prejudica a operação das indústrias, aumenta os custos de produção, penaliza a população mais pobre e tem efeitos danosos para toda a sociedade”.

A nível estadual várias indústrias estão paradas gerando reflexos no comércio, na arrecadação fiscal e na empregabilidade. Eles concluíram a nota fazendo um pedido:

“Por essa razão, a FIEB e seus Sindicatos Empresariais pedem o fim imediato do movimento e alertam para que um eventual acordo privilegie o equilíbrio, para evitar que interesses de grupos não se sobreponham aos dos demais setores da sociedade ou onerem ainda mais os custos de produção e, consequentemente, os preços para a sociedade. O Brasil, todas as mercadorias são transportadas, em algum momento, por caminhão. Uma paralisação geral e prolongada dessa atividade paralisa o país.
Uma solução para esse impasse é necessária e urgente. Pedimos a toda a categoria que não faça parte do movimento daqueles que não pensam em construir uma sociedade melhor e mais justa. Afinal, nossa população está enfrentando sérios problemas de abastecimento”, concluiram.

Comentar

%d blogueiros gostam disto: