Digite sua busca

 

 

Bahia Bahia Brasil Notícias em destaque SAÚDE Serviço

Atlas da Violência registra mais de 65 mil homicídios em 2017

Atlas da violência produzido pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada)  e pelo Fórum de Brasileiro de Segurança apontam que o Brasil registrou  31,6 homicídios por 100 mil habitantes. A taxa, registrada em 2017, corresponde a 65.602 homicídios. É a maior taxa dos últimos dez anos no país.

Enquanto estados do sudeste registraram queda na  a taxa de mortes , as regiões Norte e  Nordeste apresentaram um crescimento . Em 2017, as taxas de homicídios por 100 mil habitantes foram bastante variadas,  São Paulo registrou uma taxa de 10,3,  já o  Rio Grande do Norte 62,8 .

O estado com maior crescimento no número de homicídios em 2017 foi o do Ceará, que registrou alta de 49,2% e atingindo a quantidade de 5.433 mortes violentas intencionais, causados por armas de fogo, droga ilícita e conflitos interpessoais. No Acre, a variação foi de 42,1% em 2017, totalizando 516 homicídios – considerando-se o período de 2007 a 2017, o número de homicídios subiu 276,6% no estado.

 Os homicídios respondem por 59,1% dos óbitos de homens entre 15 a 19 anos no país. Apenas em 2017, 35.783 jovens de 15 a 29 anos foram mortos, uma taxa de 69,9 homicídios para cada 100 mil jovens, o maior registro dos últimos 10 anos. A juventude perdida é considerada um problema  para o desenvolvimento social do país e vem aumentando numa velocidade maior nos estados do Norte.

 A taxa de negros vítimas de homicídio cresceu 33,1%, enquanto a de não negros apresentou um aumento de 3,3%. Em 2017, 75,5% das vítimas de homicídio eram pretas ou pardas. O estado do Rio Grande do Norte está no topo do ranking, com 87 mortos a cada 100 mil habitantes negros, mais que o dobro da taxa nacional. Os cinco estados com maiores taxas de homicídios negros estão localizados na região Nordeste.

O ano de 2017 registrou, também, um crescimento dos homicídios femininos no Brasil, chegando a 13 por dia. Ao todo, 4.936 mulheres foram mortas, o maior número registrado desde 2007, 66% delas eram negras. Entre 2007 e 2017, houve um crescimento de 30,7% nos homicídios de mulheres no Brasil.  A situação foi mais grave novamente no Rio Grande do Norte, que um crescimento o de 214,4% em 10 anos, seguido pelo Ceará (176,9%).

O Atlas de 2019 traz uma seção inédita, sobre a violência contra a população LGBTI+ , houve um crescimento nos últimos seis anos nas denúncias de homicídios contra a população LGBTI+, que subiram de cinco em 2011 para 193 em 2017, ano em que o crescimento foi de 127%. Os pesquisadores compararam esses dados com informações do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), do Ministério da Saúde. Em mais de 70% dos casos, os autores do crime são do sexo masculino, enquanto que a maioria das vítimas é de homo ou bissexuais do sexo feminino.

    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X