Digite sua busca

 

 

Notícias Notícias em destaque Política

Bolsonaro indica em outubro o sucessor de Celso de Mello no STF; Jorge Oliveira é o preferido

Faltando menos de um mês para a aposentadoria do ministro Celso de Mello, no Supremo Tribunal Federal (STF), que deve ser publicada no Diário Oficial da União em 13 de agosto, os bastidores de Brasília estão fervendo aguardando o nome que ocupará o cargo vago na Suprema Corte.

As fontes ligadas à Rádio Sociedade – que circulam no ambiente político da Capital do Brasil – dão conta de que o presidente Jair Messias Bolsonaro já tem dois postulantes ao cargo em vacância.

O primeiro é o ministro Jorge Oliveira (na foto), da Secretaria-Geral da Presidência. Este foi indicado por Bolsonaro para assumir a vaga no Ministério da Justiça, após demissão do Sérgio Moro. Mas recusou o cargo, que ficou com o André Mendonça, então Advogado Geral da União. O segundo indicado de Bolsonaro para o STF é justamente o ministro André Mendonça, que será indicado caso Oliveira não seja aprovado como magistrado da mais alta corte do país.

Em julho de 2019, o presidente da república afirmou, durante um culto evangélico na Câmara dos Deputados – que indicaria o Supremo Tribunal Federal “um ministro terrivelmente evangélico”. O ministro Jorge Oliveira, em entrevista coletiva, já foi questionado sobre o assunto e se declarou Católico. Porém, o ministro André Mendonça, é pastor da Igreja Presbiteriana em Brasília e possui bom trânsito tanto entre integrantes do Supremo Tribunal Federal.

Relembre o discurso do presidente da República:

Em 2021, Bolsonaro indicará outro nome ao STF, com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio. Na última década, a Suprema Corte contou apenas com cinco aposentadorias:

Joaquim Barbosa, em julho de 2014 aos 59 anos após 11 no STF. 

Ayres Britto, em novembro de 2012 aos 70 anos (aposentadoria por idade limite).

Cezar Peluso, em novembro de 2012 aos 70 anos (aposentadoria por idade limite).

Ellen Gracie, em agosto de 2011, aos 63 anos, após 11 no STF.

Eros Grau, em agosto de 2010, aos 70 anos (aposentadoria por idade limite).

Foto: Sérgio Lima/Poder360

    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X