Digite sua busca

 

 

Debate Sociedade Eleições Entrevistas Notícias Política

Hilton Coelho afirma não ter nenhuma possibilidade de receber apoio político de Bolsonaro e ACM Neto, caso eleito

No segundo bloco da sabatina realizada pela Rádio Sociedade, ao ser novamente provocado sobre as possíveis alianças políticas, caso eleito ao executivo municipal, o candidato à prefeitura de Salvador, Hilton Coelho (Psol) foi incisivo.

“Do bloco ACM Neto e Bolsonaro não existe nenhuma possibilidade [de receber apoio], do campo do PT vai precisar de um diálogo em relação ao que foi o primeiro turno. Como eu te disse, o foco nosso é não renunciar e fazer a nenhuma crítica e nem proposta alternativa em relação ao que tem sido a prática do governador Rui Costa. Caso a população responda de maneira significativa e com sinergia com o nosso programa que está sendo apresentado e de alguma forma estas forças políticas do campo petista entendam que é possível apoiar um programa deste tipo, claro que nós vamos tá [sic] abertos”, disse.

Na sequência, o postulante respondeu o questionamento acerca da declaração de que condena a carreira política como um emprego, entretanto, o candidato já possui aproximadamente 10 anos de atuação em cargos eletivos. Sobre o tema Hilton explicou que “o principal para nós [partido] é que a gente tenha um processo de afirmação de novas lideranças. Este daí é o caminho (…) é até uma responsabilidade com o povo que determinadas referências e que determinadas personalidades que a gente vá firmando simplesmente saiam da disputa política, isso aí é impensável, principalmente no jogo da política brasileira que é tão desigual para os trabalhadores e para o povo fixar uma referência de massa é difícil”.

“Para mim isso surge, na perspectiva de não afirmação como um projeto individual, a medida por exemplo que eu não tive alteração salarial. Eu só recebo a parte do salário de deputado referente ao que eu receberia se fosse servidor público. Nós devolvemos auxílio moradia, que não é a prática na Assembleia Legislativa, tem um conjunto de benesses que este poder oferece que o PSOL rejeita”, acrescentou Hilton.

Durante a sabatina, Hilton falou ainda, que o partido tem firmado mandatos coletivos e candidaturas coletivas também, com mulheres negras, respondendo à pergunta da entrevistadora, Silvana Oliveira, sobre a diversidade do partido nacional, que tem como lideranças em evidência, homens brancos.

“O PSOL não vai de forma nenhuma fechar portas para lideranças que já têm um nível de consolidação e demonstram que tem um compromisso com a sociedade brasileira”, afirmou.

“Então, nós estamos avançando nacionalmente nessa temática. O PSOL defendeu e conseguiu que a população negra tivesse uma participação maior no âmbito eleitoral”, contou o prefeiturável.

Na ocasião, o candidato criticou a postura da atual gestão municipal ao assumir um posicionamento de reduzir a frota de transportes coletivos durante a pandemia do novo coronavírus; posição, que segundo ele, foi contestada pelo Ministério Público (MP-BA).

“É uma absoluta falta de transparência em relação ao transporte rodoviário”, contestou Hilton Coelho, que, concluiu questionando os acordos firmados com o governo do estado e uma empresa chinesa sobre a implantação de novo sistema modal subterrâneo.

“Voltamos a ser uma colônia? Uma colônia dos chineses?”, finalizou.

Confira na íntegra o segundo bloco da sabatina de Hilton Coelho:

LEIA MAIS:

“É impossível compactuar com a falta de escolas”, diz Hilton coelho sobre a educação na Bahia

Texto: Camila Falcão e Elias Alves
Foto: Rogério Alves / Sociedade Online

    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X