Digite sua busca

 

 

Notícias em destaque

Maurício Barbosa questiona interesse do Governo Federal em morte de miliciano

O secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, se mostrou surpreso com a possibilidade da federalização das investigações que envolvem a morte do ex-policial do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) do Rio de Janeiro, Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado como líder de uma milícia e do grupo criminoso conhecido como Escritório do Crime. Adriano foi morto após um confronto com policiais da Bahia em Esplanada, cidade baiana onde estava escondido.

Em entrevista para o apresentador Adelson Carvalho, na Rádio Sociedade da Bahia, nesta quarta-feira (19), Barbosa defendeu a polícia técnica e civil da Bahia. Ele também questionou a demonstração de interesse do Governo Federal de assumir as investigações do caso do miliciano.

Para Maurício Barbosa as declarações do presidente Jair Bolsonaro e do filho e senador Flávio Bolsonaro que levantaram suspeita sobre a morte e a perícia no corpo de Adriano servem como “cortina de fumaça” para desviar o foco sobre as investigações. Adriano já foi homenageado por Flávio Bolsonaro quando o senador ainda ocupava a cadeira de deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. A época o então policial estava preso. O presidente Jair Bolsonaro disse que a condecoração ocorreu a seu pedido. Barbosa acredita que a família Bolsonaro tem o objetivo de politizar o assunto e desmoralizar a polícia baiana.

Sobre o pedido do Ministério Público da Bahia que solicitou uma perícia necroscópica complementar pelo IML do Rio de Janeiro e a não cremação do corpo de Adriano até à realização de novos exames, o secretário demonstrou surpresa. De acordo com o Maurício Barbosa, ele nunca viu um pedido de perícia para um caso que ainda não teve um desfecho.

O miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega era um dos suspeitos de participação na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Maurício Barbosa disse que a polícia baiana não tinha nenhum interesse na morte do ex-policial.

    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X