Digite sua busca

 

 

Brasil Notícias em destaque Serviço

Motoristas e entregadores de aplicativos realizam paralisação nesta terça-feira (29) 

Os motoristas e entregadores de aplicativos realizam paralisação geral nesta terça-feira (29). As mobilizações estão previstas para acontecer no Rio de Janeiro (RJ), Volta Redonda (RJ), São Paulo (SP), Santos (SP), Belo Horizonte (MG), Juiz de Fora (MG), Salvador (BA), Recife (PE), Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR).

A greve é realizada pelas grandes plataformas de transporte e delivery, como Uber, 99, iFood e Rappi. Entre as reivindicações dos trabalhadores estão:

  • Fixar a porcentagem que a Uber recebe por corrida em 20%;
  • Corrida mínima no valor de R$ 10;
  • Reajustar o valor do km rodado para todas as categorias: Uber X (R$ 2), Comfort (R$ 2,40) e Black (R$ 3,20);
  • Pagamento do tempo em corrida a R$ 0,20 o minuto;
  • Pagar o deslocamento até o passageiro;
  • Mostrar o local de destino com informações mais específicas;
  • Contato direto com o suporte por telefone;
  • Bolsões em aeroportos, inclusive em áreas de embarque e desembarque;
  • Volta do multiplicador antigo da Uber;
  • Melhorar os incentivos para motoristas com melhor pontuação;
  • Câmeras em todos os carros de motoristas mulheres;
  • Fim do preço fixo;
  • Detalhamento de valores de todas as categorias de corridas.

Os profissionais também pedem reajuste nos repasses das tarifas e protestam contra os sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis.

Neste mês, uma pesquisa vinculada à Universidade de Oxford, na Inglaterra, revelou que motoristas e entregadores de apps no Brasil recebem menos do que um salário mínimo, R$ 1.212, por mês ou R$ 5,50 por hora.

Apagão dos apps

Nesta sexta-feira (01), entregadores de aplicativos também devem parar. Desde julho do ano passado, a categoria articula o movimento “Apagão dos Apps”, que ganhou uma nova data neste mês.

Além de pedir por uma taxa mínima de R$ 10 e protestar contra o aumento dos combustíveis, eles também se queixam da “precarização do trabalho” e querem boicote às plataformas de delivery, como iFood e Rappi.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tags:

Leia também