Digite sua busca

 

 

Sem categoria

“O consumidor brasileiro sofre duas vezes”, afirma presidente da Fecombustíveis

Alvo de críticas por parte da sociedade devido aos constantes aumentos, os combustíveis são sempre assunto e motivo de questionamentos no Brasil. No entanto, apesar de conviver com as mudanças de preços de maneira cotidiana, uma grande dúvida une a população no que se refere ao tema: Afinal, como é calculado o valor do produto?

De acordo com o presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda, a alta nos preços se deve aos reajustes do Preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF).

Em entrevista à Rádio Sociedade, na manhã desta sexta-feira (6), o responsável pela entidade explica que para chegar ao valor, o governo do estado realiza um estudo com base no preço dos combustíveis das cidades.

“Você tem na Bahia centenas de municípios, e o estado tem uma administração fazendária que administra os preços das regiões. Com base nestes valores, o governo estabelece uma média”, explica. 

Ainda conforme o gestor, o brasileiro “sofre duas vezes” durante o processo de reajuste.

“O consumidor brasileiro sofre duas vezes, porque o barril de petróleo é cotado em dólar, através de paridade internacional. O barril de petróleo o preço da gasolina no Brasil tem uma carga tributária expressiva”, explica.

Conforme Miranda, fazendo um balanço geral no país, um consumidor que paga R$ 6 reais de gasolina, desembolsa pelo menos R$ 3 de impostos.

Reforma tributária é a solução

Por fim, para o presidente da Fecombustíveis, a grande solução para inibir os frequentes aumentos na gasolina seria a fixação do preço no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) por meio de uma reforma tributária.

“No projeto da reforma tributária, a sugestão nossa, para impedir que o estado use o artifício do PMPF, além de ser uma alíquota alta, sugerimos que o ICMS fosse como o pis cofins, que é um valor fixo, que o consumidor paga 79 centavos por litro, independente do estado”, afirma.  

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Tags:

Notice: Undefined index: bg_img_color in /home/rdsoncom/public_html/wp-content/plugins/convertplug/modules/info_bar/functions/functions.php on line 143