Digite sua busca

 

 

Entrevistas Notícias Notícias em destaque Podcast

Olívia Santana diz que Major Denice não é criadora da Ronda Maria da Penha

No penúltimo dia de sabatina com os prefeituráveis de Salvador, promovida pela Rádio Sociedade da Bahia, a Candidata do Partido Comunista do Brasil (PC do B), Olivia Santana, disparou contra a candidata do PT, Major Denice, que segundo a entrevistada, individualiza a maternidade da Lei Maria da Penha.

“A história é a história. Sempre que surge essa polêmica, fica uma coisa cansativa já, muito batida. Os fatos estão aí… a Ronda Maria da Penha foi lançada no dia 8 de março de 2015, no Dique do Tororó, com a presença do governador, com a minha presença e com o Secretario Mauricio Barbosa. Gostaria que esse fato fosse contado pelo Secretário de Segurança Pública. No dia que a Ronda completa 5 anos, ele fez um discurso resgatando toda a história de construção da ronda”, disse

Olivia completou: “Eu era secretaria de política para as mulheres, liguei para o Secretário Maurício, pactuei com ele para realizar este projeto, ele levantou todas as dificuldades financeiras para implantação de novas delegacias, enfim, a questão de equipe e estrutura. A Ronda é o resultado de uma luta, primeiro de um movimento de mulheres de Salvador e do Brasil. Pode olhar os relatórios que resultam das conferências, que as mulheres queriam muito a criação de patrulhas e rondas de enfrentamento a violência contra as mulheres. A primeira comandante da ronda, foi a capitã Paula, que estava conosco, no dia do lançamento, lá no Dique do Tororó. A Major Denice tem uma contribuição, tem uma participação, foi uma excelente comandante da Ronda Maria da Penha, mas ela não é a criadora do projeto.”

A sabatinada criticou a gestão do Prefeito ACM Neto, em relação ao combate à desigualdade social: “Nosso projeto para Salvador é por uma obra que nunca foi enfrentada: o enfrentamento da desigualdade social estrutural em Salvador.  Salvador é extremamente precarizada, uma cidade campeã de desemprego, favelizada. 56% da população de Salvador vive em zonas especiais de interesses sociais, que são os bairros populares, favelas, onde falta estrutura, saneamento básico. Então no nosso plano de governo pretendemos transformar essas pautas em prioridade para prefeitura. Não podemos olhar a desigualdade em Salvador, por exemplo, as favelas, se não fosse o investimento do Governo do Estado de mais de R$ 150 milhões para contenção de encostas”.

Confira na íntegra o primeiro bloco da sabatina de Olívia Santana:

Texto: Rogério Alves, Luan Julião e Elias Pereira
Foto: Luan Julião / Sociedade Online

    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X