Digite sua busca

 

 

Bahia Economia Notícias em destaque Polícia Salvador

PF deflagra operação de combate a fraudes em benefícios do Auxilio Emergencial; Mandado de busca e apreensão é cumprido em Salvador

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quinta-feira (10) a Operação Segunda Parcela, afim de desarticular esquema criminoso de fraudes em benefícios do Auxilio Emergencial.  Na ação estão sendo cumpridos 42 mandados de busca e apreensão 7 de prisão e 13 de sequestro de bens, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Espírito Santo, Bahia, Santa Catarina, Tocantins, Paraná, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Maranhão, Piauí e Mato Grosso do Sul.

Aqui no Estado da Bahia especificamente, a Polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão em Salvador, onde apurou-se que entre o final de maio e o início de junho deste ano, o investigado cadastrou no aplicativo Caixa Tem pelo menos 15 contas em nome de terceiros para recebimento do Auxílio Emergencial de forma fraudulenta, transferindo imediatamente os valores depositados por meio de boletos bancários emitidos pelo próprio suspeito, resultando num prejuízo de quase dez mil reais.

Acredita-se que a fraude seja muito maior, na medida em que os dados se referem a um curto período analisado. Somente com o prosseguimento das investigações será possível determinar o valor exato do desvio e a possível participação de outras pessoas.

As ações efetuda são frutos de Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE), da qual participam a Polícia Federal, o Ministério Público Federal (MPF) o Ministério da Cidadania (MCid), a CAIXA, a Receita Federal (RF), a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU), no escopo de identificar a ocorrência de fraudes massivas e desarticular a atuação de organizações criminosas.

Afim de prevenir possíveis fraudes ao Auxílio Emergencial, a Estratégia Integrada de Atuação já detectou e bloqueou/cancelou o cadastramento de 3.823.841 pedidos irregulares. Deixaram de sair indevidamente dos cofres públicos, no mínimo, dois bilhões e trezentos milhões de reais, se considerando apenas o pagamento de uma parcela de R$ 600,00 (seiscentos reais).

Foto: Divulgação.