Digite sua busca

 

 

Bahia Cidades Notícias Notícias em destaque Polícia Salvador

PF desarticula esquema fraudulento em agências do INSS no interior da Bahia

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (4),no município de Sapeaçu, a Operação Palha Grande [alusão à cidade onde ocorreram as fraudes; em tupi-guarani, significa ‘Sapé Grande’]. A ação conjunta da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia conta da força-tarefa previdenciária e tem como objetivo desarticular esquema de fraudes em detrimento da Previdência Social, protagonizadas pelo chefe da Agência da Previdência Social em Sapeaçu/BA.

A apuração iniciou a partir da detecção de reiteradas fraudes na concessão de benefícios previdenciários na APS de Sapeaçu, em favor de supostos segurados especiais rurais do INSS, abrangendo a concessão de benefícios de aposentadoria por idade, pensão por morte e salário maternidade.

As informações preliminares indicam que o próprio chefe da agência do INSS concedia os benefícios, mesmo em patente desacordo com a legislação.
As investigações apontam também que o servidor do INSS praticava tais condutas em favor de clientes de ao menos dois grupos de intermediários com atuação na região, sendo um deles ligado ao Sindicato de Trabalhadores Rurais de Santo Antônio de Jesus/BA.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, há indícios de que esses despachantes/intermediários, em retribuição às fraudes implementadas, repassavam valores ao servidor público. Além desse mandado de prisão, estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos grupos criminosos investigados, sendo seis em Santo Antônio de Jesus e quatro em Sapeaçu. A Justiça Federal decretou ainda o afastamento do servidor do INSS de suas funções públicas e proibição de acesso dos investigados a qualquer agência do INSS.

Os envolvidos responderão por diversos crimes, dentre os quais organização criminosa, estelionato previdenciário, inserção de dados falsos em sistema informatizado, corrupção passiva e corrupção ativa.

Foto: Divulgação|Ascom PF