Digite sua busca

 

 

Bahia Notícias Notícias em destaque SAÚDE

Salvador apresenta menor índice de infestação do Aedes Aegypti dos últimos anos

Conforme dados provisórios divulgados recentemente pelo Ministério da Saúde (MS), a dengue está em crescimento no Brasil. Até a 11ª semana epidemiológica deste ano (19 de março), foram contabilizados 204.159 casos da doença e 43 mortes. Os dados informados superam os registrados no mesmo período do ano passado, com 131.520 casos e 30 óbitos, porém, estão menores do que em 2020, quando houve 390.684 casos e 106 mortes no mesmo intervalo. Na contramão dos dados nacionais, na capital baiana, o Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), realizado entre os dias 03 e 07 de janeiro deste ano, apontou que Salvador apresentou uma Infestação Predial (IIP) histórica de apenas 1,5%, o menor indicador registrado nos últimos anos.

O estudo mostrou que a cada 100 imóveis visitados pelas equipes de saúde, aproximadamente um apresentou focos do mosquito. O resultado positivo do levantamento é atribuído a uma série de intervenções, mobilização e conscientização junto à população feita através de campanhas e ações educativas coordenadas pela Secretaria Municipal da Saúde, bem como a intensificação das atividades do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) casa à casa, dos inúmeros mutirões de limpeza realizados em bairros prioritários através da articulação de diferentes órgãos da Prefeitura como a Limburp.

“Passamos por um período desafiador durante a pandemia, já que suspendemos as inspeções domiciliares dos agentes de combate às endemias por conta do risco de transmissibilidade do Covid-19. No entanto, intensificamos o trabalho de enfrentamento ao Aedes com os mutirões nos bairros em parceria com a Limpurb. Isso ajudou a atingir o indicador histórico que é fruto de um trabalho contínuo e incansável da Prefeitura, juntamente com o apoio massivo da população que têm sido os agentes dos próprios bairros”, destaca Decio Martins, Secretário Municipal da Saúde.

Infestação por bairros

As comunidades do Matatu, Pitangueiras, Santo Agostinho e Vila Laura apresentaram o indicador mais baixo no município com 0%, ou seja, nenhum foco foi identificado na região durante o estudo.

As comunidades do Matatu, Pitangueiras, Santo Agostinho e Vila Laura apresentaram o indicador mais baixo no município com 0%, ou seja, nenhum foco foi identificado na região durante o estudo.

Foto: Divulgação / PMSC

Tags:

Leia também