Digite sua busca

 

 

Cidades Notícias Notícias em destaque Salvador Trânsito

Salvador: MP-BA solicita à Justiça retorno de 100% da frota de ônibus

Nesta terça-feira (2), o Ministério Público da Bahia (MP-BA) solicitou à Justiça, em petição protocolada, a circulação integral da frota de ônibus do sistema de transporte público municipal em Salvador, entre os horários de pico – das 5h às 8h, das 8h às 12h e das 15h às 21h.

De acordo com a solicitação do MP, atualmente a capital baiana tem 83% dos ônibus em fluxo na cidade. Os dados foram prestados pela Secretaria municipal de Mobilidade Urbana (Semob).

Os promotores que protocolaram a petição, destacaram que a circulação integral deve atuar por toda a cidade e não apenas nas estações de transbordo. Eles indicam o crescimento da contaminação por Covid-19 na Bahia que contabilizou cinco mil casos apenas no último dia 23 do mês passado. Em Salvador, as taxas de ocupação de leitos encontram-se acima de 90% na rede hospitalar privada.

O pedido foi feito em outubro do ano passado, através de ação civil público,  quando já havia sido solicitada a determinação pela circulação de 100% da frota na capital. Segundo os  promotores, a Justiça não decidiu sobre a ação e não houve reagendamento da audiência de conciliação solicitada pelo MP, que foi adiada por duas vezes.

 “Quem está pagando o preço dessa inércia judicial é a população do Município de Salvador, onde os leitos hospitalares destinados ao tratamento de pacientes contaminados pela Covid-19 estão constantemente lotados, de modo que a cidade enfrenta o pior momento desde o início da pandemia”, afirmaram os promotores.

A Semob comunicou que a frota em operação é maior que o número de usuários, com 83% dos ônibus circulando, sendo que aproximadamente 65% dos usuários precisam de atendimento. Ainda conforme informações, os horários de pico das estações possuem com 100% da frota disponível para atender a demanda de passageiros.

A pasta disse também que colocar a quantidade de frota em sua totalidade, nos horários de maior demanda na cidade, causaria uma ociosidade do sistema, o que resultaria no acréscimo de custo que recairia sobre a população com um aumento de tarifa. A Semob informou ainda que tem realizado ajustes progressivos à medida que a demanda pelo sistema aumenta com o relaxamento das restrições.

Foto: Jefferson Peixoto

Tags:

Leia também