Digite sua busca

 

 

Mundo Notícias em destaque Política

Senado dos EUA confirma primeira mulher negra na Suprema Corte

Por Agência Brasil

Ketanji Brown Jackson foi confirmada pelo Senado dos Estados Unidos nesta quinta-feira como a primeira mulher negra a ocupar uma vaga na Suprema Corte do país, um marco para a história norte-americana e uma vitória para o presidente Joe Biden, que cumpriu uma promessa de campanha enquanto busca aumentar a diversidade nas fileiras do Judiciário federal. 

O placar da votação para confirmar a juíza federal de 51 anos no cargo vitalício na principal corte do país foi de 53 x 47, com três republicanos – Susan Collins, Lisa Murkowski e Mitt Romney – votando com os democratas de Biden. Uma maioria simples era necessária para aprovar Jackson, que superou a oposição republicana em um processo de confirmação que continua intensamente partidário. 

Jackson irá assumir a vaga do juiz Stephen Breyer, de 83 anos, no bloco liberal da corte, que hoje tem uma maioria assertiva conservadora de 6 votos a 3. Breyer deve trabalhar até o fim da atual temporada da corte –que normalmente funciona até o final de junho– e Jackson será formalmente empossada depois disso. Jackson chegou a servir mais no início de sua carreira como assistente de Breyer na Suprema Corte. 

O democrata Raphael Warnock, um dos três membros negros do Senado, afirmou antes da votação: “Eu sou pai de uma jovem menina negra. Eu sei o que significa para a juíza Jackson, tendo navegado as duas ameaças do racismo e do sexismo, estar agora na glória deste momento. Ver a juíza Jackson ascender à Suprema Corte reflete uma promessa de progresso, da qual a nossa democracia depende. Que grande dia para a América”. 

Das 115 pessoas que serviram na Suprema Corte desde sua fundação em 1789, todas, com exceção de três, eram brancas. O tribunal já teve dois juízes negros, ambos homens: Clarence Thomas, indicado em 1991 e ainda trabalhando, e Thurgood Marshall, que se aposentou em 1991 e morreu em 1993. A atual juíza Sonia Sotomayor é a única hispânica a ocupar uma vaga. Jackson será a sexta integrante da corte do sexo feminino na história. 

As indicações presidenciais para a Suprema Corte sempre foram um ponto especial de atenção na política norte-americana. O tribunal exerce grande influência na formação de políticas no país, incluindo em assuntos polêmicos como aborto, controle de armas, leis eleitorais, direitos LGBT, liberdade religiosa, pena de morte e práticas raciais. 

Antes de Jackson chegar ao posto, a Suprema Corte deve decidir casos expressivos, inclusive o que pode reverter a histórica decisão de 1973 que legalizou o aborto em todo o país, e outra que pode aumentar ainda mais os direitos às armas. 

Mitch McConnell, principal republicano do Senado, criticou Jackson no debate antes da votação, classificando-a como a escolha da “esquerda radical”, e dizendo que seu histórico judicial “perturbador” incluía a injeção de vieses políticos pessoais em decisões, e em tratar criminosos condenados da maneira mais gentil possível nas sentenças. 

Presidente dos EUA, Joe Biden, e Ketanji Brown Jackson comemoram aprovação do nome da juíza para a Suprema Corte em votação no Senado
Presidente dos EUA, Joe Biden, e Ketanji Brown Jackson comemoram aprovação do nome da juíza para a Suprema Corte em votação no Senado – KEVIN LAMARQUE

A vice-presidente Kamala Harris, que se tornou a primeira mulher negra a chegar ao cargo após Biden a selecionar como companheira de chapa nas eleições de 2020, presidiu a votação. Uma porta-voz de Kamala disse que a vice-presidente acredita que Jackson irá se tornar uma juíza “excepcional”.

Biden indicou Jackson no ano passado à Corte de Apelações para o Distrito de Columbia, após ela passar oito anos como juíza distrital federal. Como os três juízes conservadores indicados pelo antecessor de Biden Donald Trump, Jackson é jovem o bastante para trabalhar por décadas em seu cargo vitalício. 

Durante as audiências de confirmação, Jackson apontou que nasceu em 1970, após a aprovação no Congresso de importantes leis de direitos civis que tinham o objetivo de impedir a discriminação contra pessoas negras e outras minorias, e fez referência ao fato de que seus pais passaram pela segregação racial legal em primeira mão em sua cidade natal de Miami. 

Nas audiências, Jackson disse que o que ela espera levar à Suprema Corte é semelhante ao que os 115 juízes anteriores entregaram: suas próprias experiências e perspectivas de vida. Ela disse no seu caso isso inclui o tempo como juíza federal, advogada nomeada pelo tribunal para réus que não podiam pagar um advogado, membro de uma comissão federal sobre sentenças criminais e “ser uma mulher negra, herdeira afortunada do sonho dos direitos civis”.

Biden tem tentado trazer mais mulheres e minorias, e uma gama mais ampla de origens para o Judiciário federal. A indicação de Jackson cumpriu uma promessa feita durante a campanha presidencial de 2020, de que nomearia uma mulher negra para Suprema Corte. 

Foto: Elizabeth Frantz

Tags:

Leia também