Digite sua busca

 

 

Bahia Notícias

Ufba anuncia pagamento parcial de dívida com empesa de segurança

A Universidade Federal da Bahia (Ufba) anunciou hoje (28), através de nota, que realizou o pagamento de parte da dívida que possui junto à empresa MAP, responsável pelo serviço terceirizado de vigilância da instituição. O valor total devido era de R$ 15 milhões e, de acordo com o reitor João Carlos Salles, o pagamento efetuado foi de cerca de R$ 2 milhões.

O saldo parcial da dívida aconteceu após o anúncio da paralisação dos vigilantes que atuam na segurança da universidade. Durante a manhã, os trabalhadores realizaram uma manifestação em frente ao prédio da reitoria, no bairro do Canela, e planejavam repetir o ato nesta quinta-feira (29).

No texto, a Ufba afirmou que já comunicou a empresa e a sobre o pagamento. Com isso, a expectativa é de que os vigilantes possam retornar ao trabalho em breve.

Ainda de acordo com a nota, a universidade informou que segue em tratativas com o Ministério da Educação (MEC) para desbloquear totalmente o orçamento previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA), o que permitiria regularizar o pagamento a seus fornecedores. A Ufba acrescentou também que o contingenciamento de recursos e o bloqueio de 30% feitos pelo MEC afetam diretamente “a vida dos membros da comunidade universitária, entre eles os trabalhadores terceirizados”.

Confira a nota na íntegra:

A Universidade Federal da Bahia informa que efetuou, na manhã de hoje, 28 de agosto, o pagamento de parte do valor devido à empresa MAP, responsável pelo serviço terceirizado de vigilância da Universidade. A UFBA segue em tratativas com o Ministério da Educação (MEC), a fim de obter o desbloqueio total do orçamento previsto na Lei Orçamentária Anual, que lhe permitirá regularizar os pagamentos a seus fornecedores. A UFBA comunicou a empresa e a categoria acerca do pagamento, e espera que os vigilantes retornem prontamente a seus postos de trabalho.
É amplamente sabido que o contingenciamento de recursos e o bloqueio de 30% o orçamento da universidade pelo governo federal afetam diretamente a vida dos membros da comunidade universitária, entre eles os trabalhadores terceirizados. Além de insistir no diálogo com o MEC pela obtenção da liberação do orçamento, a administração central também tem feito um significativo esforço de contenção de despesas, que implica prejuízo às atividades da instituição, mas que tem como prioridade absoluta garantir o funcionamento da universidade, preservando o essencial do nosso ensino, pesquisa e extensão.

 

    
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sociedade Play
X